EnglishPortugueseSpanish
EnglishPortugueseSpanish

A Segurança Alimentar e os desafios do Agro

Voiced by Amazon Polly

A Segurança Alimentar a nível mundial tem sido discutida ao longo de anos. Garantir a disposição de alimentos em quantidade suficiente para suprir a necessidade da população é um desafio para a agricultura. Esse desafio pode ser superado pela adoção de uma gestão consciente e práticas sustentáveis.

Vale citar que a Organização das Nações Unidas (ONU) definiu como um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) erradicar qualquer tipo de fome no mundo até 2030. São menos de 8 anos para que governos e sociedade civil alcancem esse marco histórico.

De acordo com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) até o ano de 2050 a demanda por alimentos deve aumentar em até 70% em função do crescimento populacional, estimado em 10 bilhões de pessoas. Enquanto isso, a agricultura se depara com fatores que tendem a limitar a produção, como a dependência de insumos fósseis, ocorrência de pragas e doenças e alterações climáticas.

Todos esses fatores combinados corroboram com um cenário desafiador para o presente e para um futuro próximo.

A dependência de insumos fósseis no agro

A dependência da agricultura por fertilizantes químicos de origem mineral é um fator preocupante, já que esses são provenientes de fontes não renováveis e, em sua grande maioria, possuem baixa eficiência de absorção pelas plantas.

Estudos comprovam que o solo tem se tornado um depósito de fósforo indisponível para a planta, uma vez que o nutriente fornecido via fertilizantes fosfatados possui alta energia de ligação e baixa mobilidade no solo.

Dentre os fertilizantes nitrogenados, Amônia e Uréia são os mais utilizados mundialmente, no entanto, sua eficiência de absorção pelas plantas gira em torno de apenas 60% devido à sua alta volatilidade. Por outro lado, cerca de 70% dos fertilizantes nitrogenados são importados, e seu custo está atrelado ao preço do petróleo.

E ainda tem o impacto de pragas e doenças

Outro ponto alarmante são os dados sobre perdas causadas na agricultura, provenientes da ocorrência de pragas e doenças, enfatizadas no relatório “O impacto de desastres e crises na agricultura e segurança alimentar” divulgado pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) no ano de 2021.

O relatório mostra que as perdas mundiais provocadas por insetos e doenças chegam a 40% por ano, e que os custos anuais gerados com o controle de pragas ultrapassam US$220 bilhões de dólares. De acordo com a revista Forbes o uso de bioinsumos deve aumentar em até 33% em 2021, gerando uma movimentação de R$1,79 bilhão.

Este é um mercado em ascensão que tem uma vasta possibilidade de crescimento, uma vez que cerca de 20% da biodiversidade mundial está presente no Brasil.

A relação entre o agro e as mudanças climáticas

Em entrevista ao g1, especialistas apontam que eventos adversos causados pelas mudanças climáticas prejudicam o planejamento do plantio. Além disso, a produtividade do setor também tende a cair, pois o clima influencia em 30% no desempenho da produção alimentar no Brasil.

Enquanto muitos enxergam problemas, outros veem essa relação como oportunidade para o desenvolvimento de práticas modernas no setor. Giampaolo Pellegrino, pesquisador e presidente do portfólio de mudanças climáticas da Embrapa, afirmou em entrevista ao programa Conexão Ciência, “Vemos oportunidades não só no desenvolvimento científico em si, mas também na ciência apoiando a sociedade na busca de soluções para essas questões e desafios que dizem respeito às mudanças do clima e o impacto disso no agro”, afirmou.

Mas, o futuro reserva grandes avanços

Termos como “alta produtividade e rentabilidade, agricultura convencional” e “insumos biológicos, produção de orgânicos, preservação da biodiversidade, conservação do meio ambiente” eram considerados impossíveis de serem combinados, cada qual com suas particularidades, e por trás, profissionais com argumentos sólidos defendendo vertentes vistas como opostas entre si e misturáveis.

Mas a Agricultura evoluiu, e está em sua quarta revolução, e já se pode avistar o próximo marco com a chegada da Agricultura 5.0 prevista para 2022. Esses paradigmas estão sendo quebrados diariamente pela ciência e comprovados no campo. Atualmente pode-se observar que juntos esses setores e profissionais tendem a ser melhores do que nunca e só assim terão chances de alcançar a sonhada Segurança alimentar discutida mundialmente. Grandes evoluções tecnológicas serão implementadas nos próximos anos na Agricultura brasileira, como o uso de ferramentas com Inteligência Artificial. Também ocorre uma necessidade crescente de qualificação técnica das pessoas que atuam com essa infraestrutura cada vez mais evoluída.

Está gostando do conteúdo? Compartilhe.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram